LIM16
 

Hipertensão Experimental

A equipe do grupo de Hipertensão Experimental é composta por um docente, duas especialistas de laboratório, um técnico de nível básico e alunos. Os alunos e estagiários têm diversos níveis de formação compreendendo os de pré-iniciação científica, iniciação científica, mestrado, doutorado e pós-doutorado.

 

 

 

 

 

Doença Renal Crônica

Atualmente a doença renal crônica (DRC) é um dos principais problemas de saúde pública. A progressão da DRC evolui para a perda da função renal, fazendo com que milhares de pacientes dependam permanentemente de terapias de substituição renal como a hemodiálise e o transplante renal.

 

 

 

 

 

Osteodistrofia Renal

O grupo de osteodistrofia renal começou sua gestação em 1981, durante o estágio da Dra. Vanda Jorgetti no Hospital Necker, Paris, França. Numa determinada tarde, na biblioteca do hospital, ela encontrou o Dr. Tilman Drüeke, que trabalhava com distúrbios do metabolismo mineral e doença óssea dos pacientes com doença renal.


Ele acabara de retornar de uma viagem ao Brasil, convidado por um médico brasileiro que também estagiara no Hospital. No Brasil, constatou-se que poucos nefrologistas brasileiros estudavam doença óssea dos pacientes com insuficiência renal e foi sugerido à Dra. Vanda Jorgetti que trabalhasse com esse tipo de distúrbio sob sua supervisão e da Drª. Giulia Curnot, pediatra responsável pela biópsia óssea e análise histomorfométrica.


Em 1985 a Dra. Vanda Jorgetti retornou ao Brasil, onde montou o laboratório, inicialmente com o grupo do Dr. Aurélio Borelli e da Dra Maria Odete Ribeiro Leite ambos da Endocrinologia e depois na Nefrologia (LIM 16). Nossa linha de pesquisa fundamenta-se na análise histomorfométrica do tecido ósseo calcificado. Essa análise quantifica o total de tecido, a formação, reabsorção e mineralização óssea, além de informar sobre a micro-arquitetura óssea. Trabalhamos também com cultura de células ósseas, modelos animais de insuficiência renal além de protocolos de pesquisa clínica.